PLASTICONEWS PRIMEIRO A SABER
Inovação

Ecovative fornece embalagens de cogumelos para Fortune 500

Os planos da Ikea de usar embalagens derivadas de cogumelos chegaram às manchetes na semana passada. A empresa é apenas uma entre vários grandes retalhistas e lojas de comércio eletrónico, incluindo a Dell e a Crate & Barrel, que procuram formas de reduzir os resíduos e as toxinas resultantes das embalagens. A empresa que fornece um substituto biodegradável do isopor para diversas empresas da Fortune 500 é a Ecovative, uma empresa com sede em Nova York.

Os planos da Ikea de usar embalagens derivadas de cogumelos chegaram às manchetes na semana passada. A empresa é apenas uma entre vários grandes retalhistas e lojas de comércio eletrónico, incluindo a Dell e a Crate & Barrel, que procuram formas de reduzir os resíduos e as toxinas resultantes das embalagens. A empresa que fornece um substituto biodegradável do isopor para diversas empresas da Fortune 500 é a Ecovative, uma empresa com sede em Green Island, Nova York.

Eben Bayer e Gavin McIntyre desenvolveram a ideia do  Ecovative  há uma década no Rensselaer Polytechnic Institute como parte do curso para uma aula chamada ‘Inventor’s Studio’. “Ambos queríamos começar um negócio, ambos queríamos fazer algo que tivesse um impacto positivo no nosso planeta”, disse Bayer numa entrevista.

O objetivo era criar um material de isolamento a partir de resíduos agrícolas e do micélio do cogumelo. Bayer recebeu um diploma duplo em engenharia mecânica e design de inovação, mas o momento decisivo para o novo tipo de embalagem foi, pelo menos até certo ponto, inspirado por seu crescimento na fazenda familiar no centro de Vermont, onde percebeu o poder e a versatilidade do o micélio da raiz do fungo.

Em 2009, após um período de três anos de tentativa e erro, a Ecovative conseguiu criar a embalagem Cogumelo, uma alternativa de custo competitivo ao isopor (poliestireno). A embalagem do Cogumelo é produzida a partir de células de micélio, que transformam resíduos agrícolas, como talos de milho ou cascas de arroz, em compósitos em questão de dias. Em contraste, o poliestireno é feito a partir do petróleo, um recurso limitado, num processo que consome energia. Demora muito tempo para se degradar, enquanto as embalagens de cogumelos podem ser compostadas.

A empresa ganhou vários prêmios por sua invenção e entrou na lista ’30 Under 30′ da Forbes de 2015 dos principais jovens inovadores na categoria de Manufatura e Indústria. O financiamento provém não apenas de subvenções e agências governamentais dos EUA, mas também de parceiros comerciais como a 3M.

Para expandir a produção, a tecnologia passou a ser licenciada para a produtora de embalagens SealedAir. Embora tenha tido sucesso com as embalagens, a Ecovative está à procura de oportunidades adicionais para substituir produtos potencialmente nocivos ou insustentáveis ​​por materiais derivados de cogumelos. Há apenas algumas semanas, a empresa garantiu 4 milhões de dólares em financiamento adicional para expandir a sua linha de produtos de madeira natural chamada MycoBoard, uma alternativa ao contraplacado e outros produtos utilizados em mobiliário de escritório e materiais de construção. Bayer, McIntire e sua equipe também estão trabalhando em um material flexível chamado MycoFlex, feito inteiramente de micélio.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios